segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

S. Charbel Makhlouf, monge, eremita, +1898

Charbel, cujo nome de baptismo era José, nasceu em Buga-Kafra, povoado do Norte do Líbano, em 1828. Filho de numerosa família pobre, mas profundamente religiosa, órfão de pai em tenra idade, desde criança sentia o chamamento de Deus para a vida religiosa. Aos 20 anos entrou no mosteiro da ordem libanesa maronita em Maifuc, seguindo depois para Annaya. No noviciado recebeu o nome de Charbel, santo martirizado em Edessa, cuja festa é celebrada pelos maronitas no dia 5 de dezembro. Foi ordenado sacerdote em 1859. No ano seguinte, escapou por pouco da horrível invasão turca, na qual morreram milhares de jovens cristãos e igrejas e mosteiros foram saqueados e destruídos.Sua vida religiosa resumia-se à prática da profissão evangélica e austeridade, assiduidade na oração e obediência aos superiores. Em 1875, Charbel obteve licença para viver como eremita no ermo dos santos apóstolos Pedro e Paulo, a 1200 metros de altitude. Procurava, assim, viver na maior austeridade de vida, com mais rigor ainda do que no convento. Charbel não foi pregador nem missionário. Contudo, o seu eremitério era muito procurado para conselho e orientação espiritual. No dia 16 de Dezembro de 1898, no momento da elevação da hóstia e do cálice, sentiu-se arrebatado numa visão: era o fim da missa de sua vida terrena. Levado para a sua cela, estendido sobre tábuas nuas com um pedaço de madeiro por travesseiro, entrou em agonia. Exalou o seu último suspiro em 24 de Dezembro, para iniciar seu Natal no céu.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Fim

O ano de 2009, o das mãos roubadas, termina e com ele este blog que pretendia marcar o meu regresso ao trabalho após uma paragem forçada em Novembro de 2008. Os sentimentos que registei rondaram sempre aquele mote…
Termina o ano de forma triste, esvaziada, até as árvores de Natal não parecem mais que tarecos de enfeitar sem jeito nem gosto – basta dar uma volta por algumas zonas comerciais de Lisboa… Os portugueses estão abatidos, esmagados, desempregados, a crise alastra a cada dia – mais famílias desesperadas, mais fome… Os portugueses desprezam os seus governantes, os políticos e a classe dirigente em geral. Portugal mergulha a pique num abismo gerado da voragem da ganância e do poder. O fardo é pesado. Não sei se temos forças para resistir muito mais tempo: é morrer lentamente ou lutar – eu prefiro lutar! Obrigado a todos os que me acompanharam em 2009.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

DEPRESSÃO (Facundo Cabral)


>> Não estás deprimido, estás distraído.
Distraído em relação à vida que te preenche,
Distraído em relação à vida que te rodeia,
Golfinhos, bosques, mares, montanhas, rios.
Não caias como caiu teu irmão que sofre por um único ser humano, quando existem cinco mil e seiscentos milhões no mundo.
Além de tudo, não é assim tão ruim viver só.
Eu fico bem, decidindo a cada instante o que desejo fazer, e graças à solidão conheço-me, o que é fundamental para viver.
Não faças o que fez teu pai, que se sente velho porque tem setenta anos, e esquece que Moisés comandou o Êxodo aos oitenta e Rubinstein interpretava Chopin com uma maestria sem igual aos noventa, para citar apenas dois casos conhecidos.

>> Não estás deprimido, estás distraído.
Por isso acreditas que perdeste algo, o que é impossível, porque tudo te foi dado.
Não fizeste um só cabelo de tua cabeça, portanto não és dono de coisa alguma.
Além disso, a vida não te tira coisas: te liberta de coisas. Alivia-te para que possas voar mais alto, para que alcances a plenitude.
Do útero ao túmulo, vivemos numa escola;
Por isso, o que chamas de problemas são apenas lições.
Não perdeste coisa alguma: aquele que morre apenas está adiantado em relação a nós, porque todos vamos na mesma direção. E não esqueças, que o melhor dele, o amor, continua vivo em teu coração.
Não existe a morte... Apenas a mudança. E do outro lado te esperam pessoas maravilhosas: Gandhi, o Arcanjo Miguel, Whitman, São Agostinho, Madre Teresa, teu avô e minha mãe, que acreditava que a pobreza está mais próxima do amor, porque o dinheiro nos distrai com coisas demais, e nos machuca, porque nos torna desconfiados.
Faz apenas o que amas e serás feliz. Aquele que faz o que ama, está benditamente condenado ao sucesso, que chegará quando for a hora, porque o que deve ser será, e chegará de forma natural. Não faças coisa alguma por obrigação ou por compromisso, apenas por amor. Então terás plenitude, e nessa plenitude tudo é possível sem esforço, porque és movido pela força natural da vida, a mesma que me ergueu quando caiu o avião que levava minha mulher e minha filha; a mesma que me manteve vivo quando os médicos me deram três ou quatro meses de vida.
Deus te tornou responsável por um ser humano, que és tu.
Deves trazer felicidade e liberdade para ti mesmo. E só então poderás compartilhar a vida verdadeira com todos os outros.
Lembra-te : "Amarás ao próximo como a ti mesmo". Reconcilia-te contigo, coloca-te frente ao espelho e pensa que esta criatura que vês, é uma obra de Deus, e decide neste exato momento ser feliz, porque a felicidade é uma aquisição.
Aliás, a felicidade não é um direito, mas um dever; porque se não fores feliz, estarás levando amargura para todos os teus vizinhos.
Um único homem que não possuiu talento ou valor para viver, mandou matar seis milhões de judeus, seus irmãos.
Existem tantas coisas para experimentar, e a nossa passagem pela terra é tão curta, que sofrer é uma perda de tempo. Podemos experimentar a neve no inverno e as flores na primavera, o chocolate de Perusa, a baguette francesa, os tacos mexicanos, o vinho chileno, os mares e os rios, o futebol dos brasileiros, As Mil e Uma Noites, a Divina Comédia, Quixote, Pedro Páramo, os boleros de Manzanero e as poesias de Whitman; a música de Mahler, Mozart, Chopin, Beethoven; as pinturas de Caravaggio, Rembrandt, Velázquez, Picasso e Tamayo, entre tantas maravilhas.
E se estás com câncer ou AIDS, podem acontecer duas coisas, e ambas são positivas: se a doença ganha, te liberta do corpo que é cheio de processos (tenho fome, tenho frio, tenho sono, tenho vontades, tenho razão, tenho dúvidas)... Se tu vences, serás mais humilde, mais agradecido... portanto, facilmente feliz, livre do enorme peso da culpa, da responsabilidade e da vaidade, disposto a viver cada instante profundamente, como deve ser.

>> Não estás deprimido, estás desocupado.
Ajuda a criança que precisa de ti, essa criança que será sócia do teu filho.
Ajuda os velhos e os jovens te ajudarão quando for tua vez.
Aliás, o serviço prestado é uma forma segura de ser feliz, como é gostar da natureza e cuidar dela para aqueles que virão.
Dá sem medida, e receberás sem medida.
Ama até que te tornes o ser amado; Mais ainda converte-te no próprio Amor. E não te deixes enganar por alguns homicidas e suicidas.
O bem é maioria, mas não se percebe porque é silencioso. Uma bomba faz mais barulho que uma carícia, porém, para cada bomba que destrói há milhões de carícias que alimentam a vida. Vale a pena, não é mesmo?
Se Deus possuísse uma geladeira, teria a tua foto pregada nela. Se ele possuísse uma carteira, tua foto estaria nela. Ele te envia flores a cada primavera. Ele te envia um amanhecer a cada manhã. Cada vez que desejas falar, Ele te escuta. Ele poderia viver em qualquer ponto do Universo, mas escolheu o teu coração. Encara, amigo,

>> Ele está louco por ti!

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Santa Isabel, Rainha da Hungria, +1231

Isabel da Hungria era princesa, foi rainha e se fez santa. Era a filha do rei André II da Hungria e da rainha Gertrudes de Merano, atual território da Itália. Nasceu no ano de 1207, e naquele momento foi dada como esposa a Luís, príncipe da Turíngia, atual Alemanha. Desde os quatro anos viveu no castelo do futuro marido, onde foram educados juntos. O jovem príncipe Luís amava verdadeiramente Isabel, que se tornava cada dia mais bonita, amável e modesta. Ambos eram católicos fervorosos. Luís admirava a noiva, amável nas palavras e atitudes, que vivia em orações e era generosa em caridade com pobres e doentes. A mãe de Luís, não gostava da devoção da sua futura nora, assim tentou convencer o filho de desistir do casamento, alegando que Isabel seria uma rainha inadequada politicamente. A própria corte a perseguia, devido a seu desapego e simplicidade cristã. Mas Luís foi categórico dizendo preferir abdicar do trono a desistir de Isabel. Certamente a amava muito. No castelo de Wartenburgo, quando atingiu a maioridade ele foi corado rei e se casou com Isabel, que se tornou rainha aos catorze anos de idade. Ela foi a única soberana que se recusou a usar a coroa, símbolo da realeza, durante a cerimônia realizada na Igreja. Alegou que diante do nosso Rei coroado de espinhos, não poderia usar uma coroa tão preciosa. Foi assim, que o então rei Luís IV acompanhou a seu desejo e se tornou rei sem colocar a sua coroa também, diante de Cristo. Foi um casamento feliz. Ele era sincero, paciente, inspirava confiança e era amado pelo povo. Nunca colocou obstáculos à vida de oração, penitência e caridade da rainha, ao contrário era seu incentivador. Em Marburgo, Isabel construiu, o Hospital de São Francisco de Assis para os pobres e doentes leprosos. Além de ajudar com seu dinheiro muitos asilos e orfanatos, os quais visitava com freqüência. Depois de seis anos a rainha Isabel ficou viúva, com três filhos pequenos. O rei Luís IV, participando de uma Cruzada morreu antes de voltar para a Alemanha. A partir de então as perseguições da corte contra ela aumentaram. A tolerância quanto à sua caridade e dedicação religiosa, acabou de vez. E o cunhado para assumir o poder, a expulsou do palácio junto com os três reais herdeiros ainda crianças. Isabel ingressou então na Ordem Terceira de São Francisco e se dedicou à vida de religião e à assistência aos leprosos no hospital ela própria havia construído. Algum tempo depois, entretanto, os cavaleiros que tinham acompanhado o Duque da Turíngia à cruzada voltaram, trazendo seu corpo. Corajosamente enfrentaram os Príncipes, irmãos do duque falecido e exprobaram-lhes a crueldade praticada contra a viúva de seu próprio irmão e contra seus sobrinhos. Os príncipes não resistiram às palavras dos cavaleiros e pediram perdão a Santa Isabel e a restauraram em seus bens e propriedades.Henrique ficou como Regente de ducado durante a menoridade do sobrinho mais velho, o novo Duque soberano, porém Isabel preferiu viver na pobreza absoluta, o que muito desejava, retirou-se para o Hospital de Marburgo onde prestou assistência direta aos pobres e doentes e onde veio a falecer poucos anos depois, em 1231, com apenas 24 anos e onde foi sepultada com grandes honras. Na Alemanha, também seu marido Ludwig e sua filha Gertrudes são honrados como santos.Isabel da Hungria faleceu no dia 17 de novembro de 1231, com apenas vinte e quatro anos de idade, em Marburgo, Alemanha. Quatro anos depois, em 1235, foi canonizada pelo Papa Gregório IX. A Ordem Franciscana Secular a venera como sua padroeira na festa celebrada no dia de sua morte.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

S. José Moscati

Nasceu na Itália em 1880 de família que tanto aspirava Deus, que com apenas 17 anos obrigou-se particularmente ao voto de castidade perpétua. Tendido aos estudos, fez a faculdade de medicina na Universidade de Nápoles e chegou, com 23 anos, ao doutoramento e nesta área pôde ocupar altos cargos, além de representar a Itália nos Congressos Médicos Internacionais. Com competência profissional, Moscati curou com particular eficiência e caridade milhares e milhares de doentes. Em Nápoles, embora procurado por toda classe de doentes, dava, contudo, preferência aos mais pobres e indigentes. Sem dúvida foi na prática da caridade para com os pobres que se manifestou toda sua grandeza, ao ponto de receber o título de médico e pai dos pobres, isto num tempo em que a cultura se afastava da fé. José Moscati viveu corajosamente até 1927 e testemunhou a Verdade, tanto assim que encontramos em seus escritos: "Ama a verdade, mostra-te como és, sem fingimentos, sem receios, sem respeito humano. Se a verdade te custa a perseguição, aceita-a; se te custa o tormento, suporta-o. E se, pela verdade, tivesses que sacrificar-te a ti mesmo e a tua vida, sê forte no sacrifício".

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Novembro é um mês estranho - começa com a Noite das Bruxas, celebram-se os santos e os mortos (muito importante!), impõe-se o Natal com as decorações comerciais, mas não há alegria... E cada vez menos, porque o povo já só sobrevive no dia-a-dia. A crise é profunda mas o povo não luta contra ela. Deixa-se ir na corrente em direcção ao abismo. Os casos de corrupção sucedem-se sem espanto, a vida continua, olhar no chão... o desemprego assola e violenta famílias que viviam desafogadamente. As pessoas estão silenciosa e pacatamente revoltadas (?!) mas nada acontece. A serpente desliza. Até quando???

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

50 COISAS BOAS DA VIDA:

1. Apaixonar-se.
2. Rir tanto até que as faces doam.
3. Um chuveiro quente num Inverno frio.
4. Um supermercado sem filas nas caixas.
5. Um olhar especial.
6. Receber correio (pode ser electrónico......)
7. Conduzir numa estrada linda.
8. Ouvir a nossa música preferida no rádio.
9. Ficar na cama a ouvir a chuva cair lá fora.
10. Toalhas quentes acabadas de serem engomadas...
11. Encontrar a camisola que se quer em saldo a metade do preço.
12. Batido de chocolate (baunilha ou morango)
13. Uma chamada de longa distância
14. Um banho de espuma
15.Rir baixinho.
16. Uma boa conversa.
17. A praia
18. Encontrar uma nota de 20 euros no casaco pendurado desde o último Inverno.
19. Rir-se de si mesmo.
20. Chamadas à meia-noite que duram horas.
21. Correr entre os jactos de água de um aspersor.
22. Rir por nenhuma razão especial.
23. Alguém que te diz que és o máximo.
24. Rir de uma anedota que vem à memória.
25. Amigos.
26. Ouvir acidentalmente alguém dizer bem de nós.
27. Acordar e verificar que ainda há algumas horas para continuar a dormir.
28. O primeiro beijo...
29.. Fazer novos amigos ou passar o tempo com os velhos.
30. Brincar com um cachorrinho.
31. Haver alguém a mexer-te no cabelo.
32. Belos sonhos.
33. Chocolate quente.
34. Fazer-se à estrada com os amigos.
35. Andar de baloiço.
36. Embrulhar presentes sob a árvore de Natal comendo chocolates e bebendo a bebida favorita.
37. Letra de canções na capa do CD para podermos cantá-las sem nos sentirmos estúpidos.
38. Ir a um bom concerto.
39. Trocar um olhar com um belo/a desconhecido/a.
40. Ganhar um jogo renhido.
41. Fazer bolachas de chocolate.
42. Receber de amigos biscoitos feitos em casa.
43. Passar tempo com amigos.
44. Ver o sorriso e ouvir as gargalhadas dos amigos.
45. Andar de mão dada com quem gostamos.
46. Encontrar por acaso um velho amigo e ver que algumas coisas ( boas ou más) nunca mudam.
47. Patinar sem cair.
48.Observar o contentamento de alguem que está a abrir um presente .
49. Ver o nascer do sol.
50. Levantar-se da cama todas as manhãs e agradecer outro belo dia.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Silly of the Month

Cuida-te Saramago: Já ofendeste intencionalmente a Deus Pai e a Deus Filho. Não te atrevas a ofender o Espírito Santo, Senhor que dá a Vida, pois aí já não terás salvação possível - nem o Nobel te vale!

Por enquanto ainda estou a ler o teu elefante em trânsito... mas nada que não se possa abandonar, se me chatear, ao canto da sala, na pilha de orfãos junto à lareira - não, não são para queimar (livros queimados, homens chamuscados!)

Mas, nesta altura, já não sei quem é mais tonto nesta polémica CRIADA em torno do teu novo livro "Caim" - se tu, se alguns elementos da Igreja que vieram logo a terreiro com desmonstrações teológicas, se os jornalistas ignorantes que vibram por dá cá aquela palha!

Tu até tens desculpa - estás velhinho e um pouco gagá (não na escrita!), e tens medo de Deus, não o conheces, queres continuar a afrontá-lo para ver se Ele te responde. Só que Ele já mora em ti, só que não o sabes, por isso te dizes ateu.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Chiara Castellani

“Não mudaria minha vida por todo o ouro do mundo”. Chiara Castellani é uma mulher feliz, e não o esconde. E são palavras que chegam directamente ao coração, quando você pensa que quem as pronuncia é uma missionária leiga, de 47 anos, na África dos esquecidos. Única médica para 100 mil habitantes em uma área de 5 mil quilómetros quadrados, há dez anos, Chiara é responsável por um pequeno hospital, perdido nas savanas do Congo, abandonado pelos belgas, onde faltam água e luz eléctrica.
Uma médica especial, que faz as cesarianas com a mão esquerda, ajudada por enfermeiros locais, porque, em lugar do braço direito, usa uma prótese, desde que, em Dezembro de 1992, o jipe em que viajava tombou e o braço foi esmagado pelo peso do veículo. Mas Chiara continua sendo uma mulher feliz.
Não sabe onde se encontra o desespero: “Deus achou por bem me salvar, para que eu continue a sonhar junto com Ele e com quem tenha uma só esperança, a de ser amado pelo Pai dos últimos e dos oprimidos”.
Chiara não oculta sua fé, mas não gosta de ostentar sua obstinada confiança em Deus: “O meu não é um abandonar-me passivo – diz – mas um entregar-me”.
Carrega um tau franciscano de madeira, mas repete: “A cruz não é de quem a carrega no pescoço, mas daqueles que morrem nela”.
UMA BATALHADORA IRREDUTÍVEL
Chiara Castellani é uma mulher feliz, embora, aos olhos do mundo, seja fracassada e sua vida tenha enfrentado uma série de derrotas, que fizeram dela uma incurável “perdedora”.
Estudou ginecologia: “gostava da ideia de fazer nascer crianças”, mas se converteu, a contragosto, em cirurgiã de guerra, chamada a amputar membros, extrair balas, recompor cadáveres.
Cheia de ideais e de entusiasmo, Chiara partiu para a Nicarágua, na década de oitenta, junto com o marido: um companheiro de vida e de sonhos, que, alguns anos depois, abandonou-a por causa de outra mulher. Um golpe duríssimo para Chiara, que passou meses de angústia e de incerteza. Sonhava ajudar os outros e se via como um “pássaro com uma asa só”.
Mas ela lembra as palavras do bispo italiano dom Tonino Bello: “Deus criou os anjos com uma asa só, para que voassem abraçados.
Assim aconteceu comigo: desde que fiquei mutilada, encontrei ao meu redor uma série de pessoas que me ajudaram e se tornaram meus anjos”. Como ela, no hospital de Kimbau trabalham seis pessoas deficientes, das quais duas com problemas mentais. Um ex-alcoólatra prescreve as receitas. A cada curva de seu singular itinerário, a vida marcou-a no corpo e no rosto.
Ao longo dos anos, Deus foi-lhe pedindo uma fidelidade que custou caro: Chiara viu seus companheiros de caminho caírem sob os golpes dos contras na Nicarágua; ou serem mortos pelos mercenários congoleses, como o doutor Richard.
Quando foi preso, Chiara tentou se opor “com a única arma desde sempre disponível a nós, mulheres: as lágrimas”. É realmente difícil permanecer fiel a um Deus assim.
Não é de se admirar que ela, em Março de 1985, tenha escrito da Nicarágua: “Eu não creio em Deus. Espero só que Ele exista, mas que não tenha, também ele, zombado de mim!”. Mas Chiara sempre recomeçou sua aventura, apostando em Deus e num grupinho de fidelíssimos amigos e companheiros de batalha. Recomeçou exactamente do ponto que parecia ter-se transformado na sepultura de seus sonhos.
Porque, se há uma coisa à qual Chiara não sabe renunciar, é a sede de futuro, a vontade de construir um mundo melhor em nome do evangelho: “Podem nos tirar tudo, despojar-nos de qualquer direito, mas não nos podem tirar o direito de sonhar. E, na África, vi que os sonhos, até os mais ousados, se realizam”.
ALÇANDO VÔOS, “COM UMA ASA SÓ”
Chiara está realizando um desses sonhos: acender uma lâmpada em Kimbau. Por isso, nos meses passados, enfrentou um “tour de force” pela Itália, encarando uma série de entrevistas e encontros, apesar de que ela – pela própria história e formação – prefere falar através de fatos.
Em qualquer lugar por onde esteja, ela não se esquiva de dar voz aos pobres, à custa de lançar acusações candentes: aponta o dedo contra “o direito à saúde, negado na África pelas lógicas comerciais”; chama de sepulcros caiados “aqueles políticos que recebem a Eucaristia e, com as mesmas mãos, dão seu voto para a guerra”; denuncia as dolorosas cumplicidades da media, que se mantém em silêncio sobre os milhares de horrores perpetrados na África.
O que impressiona é o estilo com que Chiara se move: quando a escutamos atacar o Banco Mundial, percebemos em nossa frente não uma activista de generalidades, e, sim, uma pessoa que aposta sua própria vida, e que não se arrepende de agir assim. Portanto, embora defenda posições radicais, está a anos-luz dos “raivosos contra o sistema”.
Dela, um jornal italiano escreveu: “É uma mulher de fé, que nunca se conformou com uma fé qualquer”.
Teimosa na sua doçura, Chiara está vendo a realização de seus sonhos: no início de 2005, água e energia eléctrica não serão mais apenas uma miragem em Kimbau. Outro sonho está tomando forma na sua diocese, Kenge: uma caminhada de formação para os direitos humanos, para educar as novas gerações do Congo ao protagonismo e à responsabilidade.
Um sonho que Chiara partilha fortemente com o bispo, dom Gaspard Mudiso, nas mãos do qual, no dia 25 de Agosto de 2002, entregou-se, quando se dirigiu a Deus, dizendo: “Prometo viver na pobreza e na obediência, para servir o Teu povo. Ajude-me. Eu pus minha esperança na tua graça, Senhor, ajude-me a identificar minha vida com a de Jesus Cristo”. Um voto de obediência que muito lhe deve ter custado. Chiara está bem longe de ser uma católica pacífica, aquele tipo humano que, muitas vezes, a hierarquia utiliza como mão-de-obra dócil, desprovida de personalidade.
Chiara é de outra matéria: crescida nos anos de contestação, refere-se a si mesma: “Sempre fui fiel à Igreja, mas nunca fui servil”. Quando tem que apostar a própria vida, faz pelo Evangelho e pelos pobres. Sem meio-termo. Há vinte anos, havia jurado eterna fidelidade a um homem que, depois, a traiu. Mas quando se refere a ele, ainda hoje, utiliza palavras de inesperada ternura. Agora optou pela própria entrega à comunidade de Kenge e a seu bispo. Por quê? “Pelo desejo de pertencer, de maneira integral, aos pobres. Quero obedecer a meu bispo, como um protesto aos abusos dos poderosos”.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

"A Evasão"

Mineiro escravo,
Escavo
Secreta Galeria.

Emparedado,
rastejo, suado,
à luz avara, mortiça
que alumia o olhar cansado.

Um estrondo, uma pancada!
Treme, vibra, range ao ruir
o meu túnel escorado,
e vejo então deslumbrado,
que estou de novo a sair
donde nunca tinha entrado.


Autor desconhecido - Biblioteca Municipal de Aljustrel
A foto é da "twilight zone" gerada pelas escombreiras da mina.

O nosso Príncipe do Fado



Depois da Grande Amália, que eu sempre amei até à exaustão, eis a voz que arrepia e me ganha novamente a emoção - Gonçalo Salgueiro
("Grito" cantado pelo Gonçalo, para mim o fado mais difícil e enigmático da Amália, na sua melhor interpretação)

Retrato de uma Mãe

Uma simples mulher que, pela imensidão de seu amor,
tem um pouco de Deus.
Pela constância de sua dedicação, tem muito de anjo.

Que sendo moça, pensa como uma anciã.
Que sendo velha, age com todas as forças da juventude.

Quando ignorante, melhor que qualquer sábio,
desvenda os segredos da vida.
Quando sábia, assume a simplicidade das crianças.

Quando pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade
dos que ama.
Quando rica, empobrece para que seu coração não sangre
ferido pelos ingratos.

Quando forte, estremece ao choro de uma criancinha.
Quando fraca, entretanto, se alteia com a bravura dos leões.

Quando viva, não lhe sabemos dar valor,
porque à sua sombra todas as dores se apagam.
Quando morta, tudo o que somos e tudo o que temos
daríamos para vê-la de novo,
e dela receber um aperto de seus braços,
uma palavra de seus lábios.

Não exijam de mim que diga o nome dessa mulher,
se não quiserem que ensope de lágrimas essa página…
porque eu a vi passar em meu caminho.

Quando crescerem vossos filhos, leiam para eles esta página.
Eles vos cobrirão de beijos a fronte,
e vos dirão que um pobre viajante aqui deixou, para todos,
o seu Retrato de Mãe.

O poema acima (Retrato de Una Madre…Hay una mujer), o qual traduz fielmente a alma de uma mãe, é de autoria de Don Ramon Angel Jara, bispo chileno famoso por sua oratória.

My kind of guy

Traços profundos, espírito guerreiro, inteligência e vontade - tudo no sítio, e não como a maioria que para aí anda - tacanhos, maneirinhos e abichanados! Irra!!!

domingo, 18 de outubro de 2009

Os Conjurados


>>Os Conjurados foram um grupo nacionalista português nascido clandestinamente durante o domínio dos espanhóis sobre Portugal. Era constituído por quarenta homens, na sua maioria da nobreza portuguesa, cujo objectivo era o de destituir os Filipes e proclamar um rei português. Aquele que ficou reconhecido como tendo sido o grande impulsionador da conspiração foi João Pinto Ribeiro.
A
1 de Dezembro de 1640, Os Conjurados invadiram o palácio da Duquesa de Mântua, atiraram Miguel de Vasconcelos pela janela causando-lhe a morte, e proclamaram rei D. João IV, aos gritos de "Liberdade". O povo acorreu logo a apoiar a revolução e, assim, D. Filipe III, IV de Espanha, que se encontrava já a braços com uma revolução na Catalunha, não teve como retomar o poder em Portugal.>>

O mal dos Homens é pensar que a História não se repete!

Um nome com Amor


sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Bonecos Deliciosos


A Ovelha Choné é Hilariante! Recomendo a todos, especialmente aos botas-de-elástico, mangas de alpaca, e demais mal-humorados...

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

MEDO:::::UHUHUHUHU



Imaginar este "casamento" é um pesadelo sem fim!


(Imagens picadas do BLOGRE)

Santa Teresa de Ávila


Nasceu em Ávila, a 28 de Março de 1515. Aos vinte anos, ingressou no Carmelo de Ávila. Espanhola, de família nobre, bela e inteligente, foi uma criatura que lutou contra as suas contradições internas, contra as mentiras e hipocrisias de uma vida espiritual vazia. Santa Teresa ocupa um lugar especial dentro da mística cristã; é considerada um dos grandes mestres espirituais que a história da Igreja já conheceu. Entretanto, ela não pode ser esquecida como reformadora do Carmelo, como aquela que conseguiu devolver à Ordem Carmelita o seu primitivo vigor espiritual. Tinha como conselheiro espiritual São João da Cruz. É chamada Teresa, a Grande, por sua grandeza de mulher. Teresa sem a graça de Deus é uma pobre mulher. Com a graça de Deus, uma graça. Em 1970, o papa Paulo VI, proclamou-a “Doutora da Igreja”, (tal como Santa Catarina de Sena) pela profunda mística e espiritualidade. Foram as duas primeiras mulheres a quem se reconheceu esta qualidade pelos méritos dos escritos doutrinários que deixaram. Muitas das obras de Teresa d’Ávila continuam sendo lidas e produzindo abundantes frutos espirituais: “O caminho da perfeição”, “Pensamentos sobre o amor de Deus”, “Castelo interior”. Morreu em 1582.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Conceito de Mamã


>> Caminhava com o meu filho de 3 anos , quando ele apanhou qualquer coisa do chão e ia pôr na boca. Ralhei com ele e disse-lhe para nunca fazer isso.
Mas porquê ? - perguntou ele. Respondi que se estava no chão estava sujo e cheio de micróbios. Nesse momento, o meu filho olhou-me com admiração e perguntou: Mamã, como sabes tudo isso? És tão inteligente... Rapidamente reflecti, e respondi-lhe: Todas as mamãs sabem estas coisas. Quando alguém quer ser mamã , tem que fazer um teste e tem que saber todas estas coisas, se não não pode ser mamã. Caminhámos em silêncio cerca de 2, 3 minutos. Vi que ele pensava ainda sobre o assunto, e de repente disse: Ah, já percebi. Se não passasses o teste, tu eras o papá. Exactamente, respondi com um grande sorriso na boca. E agora quando parares de rir , envia isto a todas as outras mamãs e...aos papás que tenham humor !!! >>

A circular por E-Mail (Autor Anónimo)

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Beata Alexandrina Costa, virgem, +1955


Alexandrina nasceu em 30 de março de 1904 em Balasar, Portugal. É uma pequena camponesa cheia de vida, divertida, afectuosa. Aos 14 anos lança-se de uma janela a quatro metros de altura para preservar a sua pureza, ameaçada por alguns homens que haviam entrado em casa. Cinco anos mais tarde, as lesões derivadas da queda provocaram-lhe uma paralisia total que a manteve de cama durante mais de 30 anos, até ao final de sua vida. Ofereceu-se como vítima a Cristo pela conversão dos pecadores e pela paz do mundo. Durante quatro anos (1938-42), reviveu todas as sextas-feiras, durante três horas, a paixão de Cristo. De 27 de março de 1942 até sua morte (isto é, durante 13 anos e 7 meses), não ingeriu nenhuma outra bebida nem alimento mais que a Eucaristia. Orientada por seu director espiritual, fez-se cooperadora salesiana, oferecendo os seus sofrimentos pela salvação da juventude. Em 13 de outubro de 1955, ouviu-se exclamar: «Sou feliz, porque vou ao céu». Pela tarde faleceu em Balasar, onde se encontra seu sepulcro e onde acodem multidões de peregrinos.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Sócrates chegou ao Mobiliário Urbano

Bancos em pedra, de linhas paralelipipédicas (!) frias e austeras (!) sem apoio lombar (para que as pessoas se mantenham marrecas ou em posição de poderem ser vergastadas! Marca espanhola (!).


1 Sócrates

Vários Sócrates

Vários Sócrates...

Receita de Molho de Manjericão

Ingredientes:
  • 10 folhas de manjericão picadas
  • 2 dentes de alho esmagados
  • 1 colher chá de sal grosso
  • sumo de 1 limão.
  • 3 colheres de sopa de vinagre de sidra
  • pimenta 5 bagas q.b.
  • azeite q.b.

Preparação:
misture todos os ingredientes, e deite o azeite em ponto de fio para dar consistência. Prepare o molho com a antecedência de uma hora antes de servir para tomar o gosto do manjericão.
Utilize em saladas ou massas.

Alteração ao IRS 2009 – Atenção

IRS 2009 - Atenção à actualização da relação dos seus dependentes!

Actualize a sua lista de dependentes na DECLARAÇÃO ANUAL DE RENDIMENTOS – IRS (Por definição, são seus dependentes, todos aqueles que você é OBRIGADO, POR LEI, A SUSTENTAR)

Assim, são SEUS DEPENDENTES:
- Ciganos;
- Vagabundos;
- Presidência da República e assessores;
- Governo e assessores (até mesmo os familiares nomeados por clientelismo político);
- Câmara Municipal e assessores (idem);
- Águas de … (consumos mínimos e estimado);
- EDP (consumos mínimos e consumo estimado);
- TELECOM; VODAPHONE; OPTIMUS; etc.
- Gás de Portugal (consumos mínimos e estimado);
- Beneficiárias da taxa de saneamento básico (recolha de lixo, etc);
- Centros de inspecção de veículos;
- Companhias seguradoras (seguro automóvel obrigatório);
- BRISA - Portagens;
- Concessionárias de parques e estacionamento automóvel;
- Concessionárias de terminais aeroportuárias e rodoviários;
- Instituições financeiras - Taxas de administração e manutenção de contas correntes, renovação anual de cartões, requisição de cheque etc.;
- Mais de 230 deputados da Assembleia da República, com os respectivos ESQUEMAS de apoio.
- BCP, BPN, BPP e demais esquemas de enriquecimento fácil de administradores e gestores cleptomaníacos a que o estado entrega os impostos que pago, para evitar o alarme social e financeiro e, agora, também, a BES, BPI, ..., CGD...

... Para o ano é provável que tenha ainda MAIS!!!

E-Mail a circular - autor anónimo