terça-feira, 7 de abril de 2009

Quanto vale uma lágrima?

Pudesse eu ter o conhecimento alquímico que me permitisse cristalizar uma qualquer lágrima de alguém que chora… eu seria a pessoa mais rica do mundo! Mais rica do que se possuísse todas as pedras e metais nobres que se acomodaram ao longo de milhões de anos nas gangas rochosas da Terra.

As lágrimas aumentam o seu valor ao longo do tempo, precisamente o fenómeno inverso que acontece ao vil metal. Aquelas dão-se. O dinheiro recebe-se, rouba-se, acumula-se, especula-se mas ele não se multiplica - apenas divide.
As lágrimas são inesgotáveis e cumulativas: quando choramos elas trazem consigo todas as mágoas e sofrimentos contidos no coração, convertendo-se em pequenas pérolas de água e sal.
Na infância valem inocência, na maturidade – sabedoria. Tal como o ouro é provado no fogo, as lágrimas são purificadas no coração. Por isso, não posso deixar de recordar a grande portuguesa que escreveu e cantou:

“Se eu soubesse que morrendo
Tu me havias de chorar
Por uma lágrima tua
Que alegria me deixaria matar”


1 comentário: